quarta-feira, 24 de março de 2010

DF: e agora, José?

Já já começa tudo de novo. Estou falando da campanha política. Vão desaparecer os pilantras e em seus lugares, só homens honestos, gente de bem, trabalhadora, preocupada com o bem-estar da população que os elegerá.
O termômetro é sempre o começo dos trabalhos. Será que a patota atual vai aumentar os próprios salários no fim do mandato e assim criar uma espécie de vínculo com a patota nova? Quer melhor elemento de barganha que isso? Favorzinho aqui e dá-lhe favorzinho nos próximos quatro anos.
Aqui no DF vivemos a tensão da possibilidade de volta do famigerado Joaquim Roriz. O homem tem um curral eleitoral inabalável e seu gado é fiel e do tipo revanchista. O deposto Arruda até que ia bem. Seu governo realizou muita coisa e ele passava a impressão de realmente estar trabalhando direito. Mas sua política revelou ser parecidíssima com a de outro político famoso: "rouba mas faz". Como se o fato de governar direito lhe desse carta branca para as falcatruas. Os rorizistas já estão por aí dizendo "viu? depois dizem que o Roriz é que é ladrão". Triste. O aniversário de 50 anos de Brasília acontecerá em menos de um mês e em meio a essa pataquada. Boa parte das obras não pararam, pois se tratam de obras que trarão benefícios reais à população, como a linha verde, que é uma ampliação da via que leva de Taguatinga ao Plano Piloto, passando por Águas Claras e Guará. Vai dar uma bela desafogada no trânsito e trazer mais conforto por quem tem que usar transporte coletivo para fazer aquele deslocamento. A já famosa Feira da Torre vai ser modernizada e ampliada. A ligação entre a Avenida das Nações e a L2 também já está quase concluída e vai desviar parte do trânsito da Esplanada dos Ministérios. Mas as eleições me dão medo. O PT tem de decidir entre dois candidatos mas Roriz tem um peso assustador. Só nos resta esperar que o bom senso prevaleça.

terça-feira, 16 de março de 2010

Tirando a poeira

Dei o primeiro passo: abri a bolsa da câmera e troquei a lente, rearranjei as coisas. Daqui a pouco vou baixar as fotos que ainda estão lá e ver o que fazer com elas. Dei uma geral no meu armário. Já é alguma coisa, não?
Vou, aos poucos, colocando ordem no barraco. As cortinas vão ser instaladas na quinta. Vai ficar faltando a persiana e as prateleiras do escritório. Pera lá, devagar. Uma vez de cada coisa. A persiana tem que ser medida, cortada, etc. Minha animação ainda não chegou lá.
Mas vou ter minhas férias. Nossas, digo. John People, aqui vamos nós. Trocamos o carro. Agora quero trocar a moto, mas não acho que vá rolar, ainda. A saúde andou combalida, provavelmente efeito da longa temporada sem férias.
Comecei a ler as Mil e Uma Noites. Versão traduzida para o português com prefácio de Malba Tahan. Não é a versão mais apimentada que, segundo Tahan, tem pouco ou nada a ver com a original. É uma edição em dois livros da Ediouro (aquela dos Coquetéis) e razoavelmente bem apresentada. Li umas poucas páginas, estou sem ritmo. Depois eu conto. Tá bom já, né? Fui.

segunda-feira, 8 de março de 2010

I'll be back

Muito trabalho, muito cansaço e falta de inspiração. Mas darei a volta por cima, people.