terça-feira, 27 de outubro de 2015

Game of Thrones: a saga continua.



Ok, vou "humour" uma amiga minha e tentar continuar a bagaça. Veremos se tenho mesmo talento.
Quer recapitular? Leia aqui. Onde estávamos mesmo? Rainhas, dragões, anões, lordes sem cabeça. Já disse que o reizinho filha-da-puta é um...bem, filha-da-puta, certo? E ele fica mais fdp ainda. Sabe a filhota do lorde sem cabeça? Pois é, a bichinha sofre que só na mão do sádico playboyzinho. A guerra come solta no norte.
O filho mais velho do lorde sem cabeça vira o Rei do Norte.
Olha só: tem o Reizinho que é oficialmente o Rei. Dos ândalos, dos primeiros homens, da puta que o pariu. Tem o "único rei de verdade" (é o que ele acha, vou fazer o quê?) que é irmão do Rei pai do Reizinho, e que bateu com as caçuletas. Nessa pegada o URdV deu um jeito de matar o outro irmão (que também se intitulava o URdV) com ajuda de uma bruxa - não, desculpe, sacerdotisa - muito gostosa e muito mazinha também. Como sempre alianças se desfazem com a mesma rapidez que gente morre. Morre gente pra caramba, vou te contar.
O rei do norte, prometido para a filha de um crápula que domina uma passagem importante e é pai de uma pancada de mulher mais feia que bater em mãe por causa de mistura, se apaixona pela filha de um outro lorde que ele conhece  num campo de batalha. Nem preciso dizer o que rola. Blá-blá-blá, ele casa e engravida a moça, o que deixa o lorde da ponte puto que só.
Sim,o Assassino de Rei é capturado pela rapêize do Rei do Norte e o plano é trocá-lo pelas duas irmãs que estão lá na capitar. Só que Arya a esta altura está largada no mundo, mas ninguém sabe disso.
Pá de lá e pá de cá, lá pelas bandas do Muro - achou que eu tinha esquecido do bastardo? - os homens de preto começam a topar com as criaturas estranhas do norte. Primeiro vão levar um lero com o cara que come as filhas e mata os bebês homens. E continua a comer as filhas, que viram suas esposas e tal e tal. Rola um entrevero doido lá e o comandante da Patrulha da Noite é morto por uns amotinados. O resto foge e se manda para o muro.
A mãezinha dos dragões vaga mundo à cata de seguidores e de um exército. Vai liberando escravos pelo caminho até que chega a uma cidade onde são produzidos em massa super-soldados eunucos. Chamemo-los de Intocados. Conversa vai e conversa vem, a lindinha manda os dragões fazerem churrasco dos senhores da cidade e assim vaza com 8 mil Intocados sem pagar nadinha. E a galera toca a segui-la chamando-a de mãe.
Saca aquelas alianças que mencionei em algum ponto? Pois então, a famiília do reizinho anda meio quebrada. A Coroa deve até as calçolas da Rainha-mãe-puta - se é que ela as usa -  e assim faz uma aliança com seus inimigos mais do sul. Eles são meio que os árabes da história. São cheios da grana e bons de briga.
A esta altura um novo casamento é planejado e assim a Sonsa, a filha do Lorde Sem Cabeça é posta de lado, mas continua como brinquedinho do reizinho sadiquinho filho-da-putinha.
No norte, o Rei resolve amenizar a situação que criou quando quebrou o combinado que era se casar com uma das barangas filhas do lorde da ponte. Acordam que seu tio vai se casar com uma delas e assim a "metida de pata" será relevada. Ou seria. Só que não. No dia do casório rolou um bafafá e a patota toda do Rei do Norte é massacrada de barriga cheia no meio da festa. Até a mulher do Rei do Norte, de barrigão e tudo. A mãe dele também dança.
Um fuzuê danado e metade do país comemora porque isso significa o fim da guerra. Só que não, pois nos Sete Reinos tem sempre alguém querendo ser o único rei da porra toda.
Enquanto isso rolava, ou antes, já não me lembro, teve a batalha da baía da Água Negra, nos portões da capitar. Graças à inteligência do anão, os inimigos são repelidos, mas morre gente pra caramba e a casa quase cai. O pai do anão chega bem na hora para acabar com a zona e colher os louros. O anão sofre uma tentativa de assassinato a mando daquela flor que é a irmã dele, mas sobrevive. Acorda num quarto, sem título e tendo que ouvir o porrinha do sobrinho se gabar da batalha da qual ele fugiu. Ah, e papai mandando em tudo e ainda esculhambando com ele no processo.
Sim, o irmão dele, o Assassino de Rei, é solto pela mãe do Rei do Norte e ele é escoltado para a capitar por uma grandalhona que é mestre em jurar lealdade. São capturados no caminho e cortam a mão de bater punheta do Assassino de Rei. Boo-hoo.
Arya anda para lá e para cá agora na companhia do Cão, um gigante que bate e mata só pra ver cair, mas tem medinho de fogo.
Lá no Além Muro, o bastardo se força a ser capturado para virar agente duplo entre os selvagens. Que são gente como a gente, só um pouquinho mais briguenta. Nessa ele conhece uma ruivinha gatinha que cai de quatro - literalmente - pelo cara e vive dizendo que ele não sabe nada. Ele prova que de língua é bom. E assim a história segue e ele vendo o dia que vai ter que escalar o Muro e invadir a própria casa.
Aliás, vamos falar do Muro. A bagaça tem centenas de quilômetros de comprimento, mais de duzentos metro de altura e é grossa feito junta destroncada. A Patrulha da Noite não tem celibatários suficientes para patrulhar a coisa toda. Não dá para entender por que os selvagens não escolhem um trecho não patrulhado e escavam o Muro. É feito de gelo, pelamordedeus. Derrete o troço com um foguinho amigo. Bom, eles são selvagens, né?
Parei de mencionar o moleque que cai da torre e fica paralítico porque a história dele vai ficando chatinha. Ele tem a habilidade de "entrar" em animais e comandá-los. Então fica viciado em fazer isso para poder compensar a falta das pernas. Na fuga rumo ao norte eles encontram um casal de irmãos. A menina é boa de mira. O garoto tem lá seus poderes e diz que vai ajudar o moleque a se encontrar. [vou abrir um comentário aqui: acho que o George Martin se encheu da história desse moleque, que vai ficando cada vez mais esquisita, tipo "Lost", saca? E desconfio que ele não sabe bem como terminá-la. Veremos se no livro seis ele retoma].
Aí, no dia do casamento o reizinho babaquinha é envenenado, depois de humilhar mais uma vez seu tio-anão. No rebuliço Sonsa é ajudada a fugir (yay) e o anão se ferra e vai parar na masmorra. Armam um tribunal para que ele tenha um julgamento justo, no qual o juiz é seu pai, o segundo é um dos "árabes" que vai fazer o que o juiz mandar e o terceiro não conta. Com nenhuma testemunha a seu favor e todos contra, já viu onde vai dar isso, né? Não, estamos nos Sete Reinos e aqui ele pode pedir o Julgamento por Combate. Ele escolhe como seu campeão o árabe que veio com sangue nos olhos para vingar sua irmã, cujo assassinato ele acredita foi mandado pelo pai do anão. Um rolo, né? Então, não se perde. No rolo da briga, ele quase ganha do Montanha (irmão do Cão). Mas dá uma de mané e acaba se ferrando. Assim, o anão é condenado à morte.
Lá no norte a coisa vai mal. O idiotinha que tomou conta do castelo do lorde sem cabeça se ferra todo, é capturado e torturado. Vira um quase vegetal e faz tudo o que o outro bastardo manda. Bem merecido, ele é um crápula.
A mãezinha dos dragões continua lá tentando virar rainha, mas não manja muito de governar. Perdeu o controle dos dragões e teve que apriosionar dois deles. Há uma revolta generalizada na cidade que capturou e gente morre a torto e a direito. Tá meio sem rumo a bichinha.
O URdV anda para lá e para cá seguindo - e comendo - a sacerdotisa fogueta. E queimando gente como sacrifício. Tá tão sem rumo que acaba indo para o norte, para as bandas do muro, para começar uma nova guerra a partir de lá. Vai ajudar o pessoal de preto com os selvagens e acampar no forte por uns tempos. Mas, claro, o inverno se aproxima.
Lá embaixo o anão é libertado por seu irmão maneta e, na fuga, enfia duas flechas no querido paizinho e esgana a puta que ele tentou proteger e que andava dando pro velho. Se manda da capitar num caixote, protegido pelo eunuco que é dono de todos os espiões do mundo e mais alguns. Com o reizinho enterrado, entronam o irmão mais novo, mais bonzinho e mais bobo e já emendam o casamento deste com a ex-quase-viúva (hein?) do reizinho. A aliança tem que permanecer.
Arya acaba embarcando numa viagem para uma terra estranha onde vai virar uma freira assassina (??). Ela ainda é um personagem top.
Sonsa acaba no castelo da sua tia maluca que tem um filho mimadíssimo que, aos dez, ainda mama no peito de mamãe e é um chato de galochas. Dedinho - ainda não tinha mencionado ele - que foi quem ajudou Sonsa a fugir e quem realmente matou o reizinho envenenado, acaba por matar a tia com quem acabara de casar - acho que não aguentou o jeito barulhento dela transar. Afinal, ele só quer o castelo, o título e o "pudê"
Sonsa ainda vai se lascar um bocado, porque Dedinho contem sua vontade de traçar a beldade e a casa com um sujeitinho mais sádico ainda, o bastardo que tomou o castelo do lorde sem cabeça e cujo pai matou a mamis e o brother dela, lá no tal casamento de sangue. E o bicho é sádico que só ele.
Mas ela vai fugir com o vegetalzinho que virou bichinho de estimação.
Sim, o outro bastardo, filho do lorde sem cabeça? Acaba morto pelos "irmãos" da Patrulha. Tosco, né?
Acabei saindo dos livros e resumindo a série de TV, que começou a fugir dos livros, que são "infilmáveis" do quarto pra frente.
Deu pra ti?

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Eleições 2015

Não, não estou ficando maluco. Eleições no Haiti. Neste fim-de-semana a loucura tomará conta do país. Haverá eleições para o congresso e para presidente. E, saca só: são 52 candidatos! Sim, cortaram dois. Acharam demais.
A coisa aqui é séria. Há um aumento vertiginoso na violência nos dias que antecedem as eleições e até depois de sair o resultado, já que serão 51 desgostosos e seus puxa-sacos. Na semana passada uma missionária norte-americana que vivia e trabalhava no Haiti há muitos anos, foi assassinada sem razão aparente. Uma cidadã francesa foi, segundo rumores, sequestrada e até agora não se tem notícias deles.
Não dá para saber exatamente por que eles se voltam contra estrangeiros. Provavelmente tem a ver com aquele ódio mal-disfarçado em relação a brancos que mencionei num post anterior. E branco aqui é quase sempre estrangeiro.
A recomendação é ficar quieto, low profile, só sair em grupos e se for estritamente necessário.
As ruas estão entupidas de cartazes. Dá para notar que, dos 52 candidatos, alguns tem grana para gastar. São os cujas carotas vemos mais coladas nos postes, muros e carros.
Hoje, ao me dirigir para um restaurante, topei com um carro-palanque. Uma caminhonete com sistema de som, um candidato (a quê, não sei) falando aos berros no microfone e um monte de puxas-sacos atrás. Eles andavam pelo bairro onde estamos, Pétion-Ville, gritando seus slogans e vendendo suas mentiras, digo, sua plataforma.
Eleições são coisas podres em qualquer lugar, não é? Por aqui não seria diferente, ainda mais com o país no estado em que está.
O atual presidente é de uma das famílias mais ricas do país e seu filho recentemente foi preso por tráfico nos EUA. A fiança? USD 5 milhões, pagas rapidinho. Daí dá para ver porque as coisas insistem em não melhorar por aqui. Soa familiar?


IBILCE: 60 anos da minha Alma Mater

Escrevi a crônica abaixo, a pedido da amiga Nilce, atual editora da revista Notícias Ibilce, por ocasião dos 60 anos do nosso querido In...